Sucessão majoritária em Lagoa Seca continua indefinida para alguns agentes políticos. Grupo da oposição aglutinou forças e segue unido...

O termômetro político em Lagoa Seca só aumenta, nesses momentos que antecedem as convenções, quando as agremiações partidárias com assento no município pretendem lançar candidatos a prefeito, a vice-prefeito e a vereador nas eleições municipais de 2016.  As convenções partidárias para a definição da escolha dos candidatos pelos partidos e para deliberação sobre coligações está prevista na Lei nº 9.504/1997 (Lei das Eleições), no Calendário Eleitoral de 2016 e na Resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nº 23.455/2015 e devem acontecer a partir do dia 20 de julho até o dia 5 de agosto. Nesse período, muita coisa deve acontecer e o cenário político local pode ocasionar mudanças no quadro eleitoral na disputa pelo Executivo Municipal.

Ao observar os pré-candidatos a prefeito do município de Lagoa Seca muitas são as especulações em torno de seus nomes, em especial por parte de analistas, pitaqueiros e eleitores, que nessa fase de pré-campanha, particularmente, nas redes sociais, já promovem uma verdadeira guerrilha digital, cada um defendendo seus candidatos, enquanto outros só observam o desenrolar dos acontecimentos.

O Lagoa Seca Em Foco atento ao cotidiano da cidade, tenta, agora, expressar o que se comenta e o que se especula nos bastidores, em torno dos nomes que compõem o cenário na disputa eleitoral a prefeito de Lagoa Seca nas eleições do dia 02 de outubro de 2016. 

As conjecturas são as mais diversas. Na órbita que gira em torno do nome de Fábio Ramalho (PSDB) o cenário é de definição, quanto a sua chapa e apoio político de alguns partidos com diretórios formalizados em Lagoa Seca. Com o aval da maior liderança política do município, ex-prefeito Edvardo Herculano (PSDB), que sacramentou o nome de sua esposa, Dalva Lucena (PSD) como candidata a vice, Fábio Ramalho segue conversando e atraindo mais apoios ao seu projeto político. Até o momento, o tucano tem o apoio dos seguintes partidos aliados: PRB, PP, PTN, PSC, PR, PPS, PSD, PRTB, PTC, PSDC e PMB. O mesmo vem acontecendo com várias lideranças comunitárias e pessoas comuns, que a cada dia aderem e manifestam apoio ao nome do candidato da oposição.

Quanto ao ex-prefeito Bola Coutinho (PT do B), outra liderança política expressiva de Lagoa Seca, que entrou na disputa pra valer, as variações de especulações são as mais espetaculares possíveis, a começar pela definição de seu companheiro ou companheira de chapa. O que se sabe, até o momento, conforme já anunciaram, o nome que vem para compor com Bola será de peso (não se sabe se de arroba, econômico ou político).  Alguns nomes constam na mesa de negociações, mas, o segredo da coco-cola ninguém revela. E esse é o grande mistério e estratégia do grupo do ex-gestor, que deverá polarizar a disputar com Fábio Ramalho. 

Ainda na órbita que gira em torno do homem da Imbaúba, a partir da visita no último sábado (9) do presidente da Assembleia Legislativa Adriano Galdino (PSB), que também é pré-candidato a prefeito de Campina Grande, quando na ocasião, almoçou com Bola Coutinho e familiares, muitos comentários se sucederam. Um deles diz respeito que o próprio Adriano Galdino está articulando e desconstruindo a chapa encabeçada pelo PMDB de Lagoa Seca, que tem como candidato o vereador Diego do Veleiro e como vice a educadora Joelma Rocha, do mesmo partido do presidente da Assembleia e do governador do Estado. 

O próprio governador Ricardo Coutinho já afirmou que o seu partido, o PSB, mesmo respeitando as questões particulares de cada município, não fará coligações com o PMDB. Ao se concretizar essa decisão partidária, defendida pela maior liderança socialista da Paraíba, a chapa do PMDB para a disputa da Prefeitura Municipal de Lagoa Seca pode ser rifada e Diego do Veleiro sobrar na curva e, na virada, sua atual pré-candidata a vice, Joelma Rocha cair de braços e sorrisos abertos na chapa do PT do B, com aval do governador Ricardo Coutinho, do presidente da Assembleia Legislativa Adriano Galdino e do prefeito José Tadeu, que não digere o nome de Diego do Veleiro e nem vota no peemedebista para sucedê-lo. Se os ventos continuarem fortes e em desfavor às pretensões de Diego, o veleiro pode naufragar e o barco virar com muita gente junta. Se isso de fato acontecer, o jeito será reaglunitar o que restar para, de última hora, repensar as estratégias quanto as pretensões de chegar ao comando da Prefeitura Municipal. Enquanto isso, o próprio parlamentar mirim, assegura que, - 'em qualquer circunstância e cenário político' - é candidato a prefeito de Lagoa Seca com o apoio do deputado federal e pré-candidato a prefeito de Campina Grande Veneziano Vital (PMDB), que tem o desafio de vencer o atual prefeito Romero Rodrigues (PSDB), se quiser voltar a governar a maior cidade do interior do Nordeste.

Na eminência do término para o prazo das definições de candidaturas e coligações, no caso de Lagoa Seca, sobrevive na política não quem é o mais forte, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças. Nessa lógica, vamos aguardar o que vem por aí, nos próximos dias. O resto, o Lagoa Seca Em Foco narrará mais adiante. 

Da redação

0 comentários: