Susposto abuso sexual coletivo é investigado por autoridades policiais no Lar do Garoto em Lagoa Seca

A Polícia Civil em Lagoa Seca, município localizado na região metropolitana de Campina Grande, no Agreste da Paraíba, está investigando um suposto caso de estupro coletivo, que teria ocorrido na última segunda-feira, 13, no Lar do Garoto Padre Otávio Santos, instituição mantida pelo governo do Estado, com fins de cumprimento de medidas socioeducativas de menores infratores.

De acordo com a direção, um interno, que teve a identidade preservada, procurou a equipe interdisciplinar da instituição e denunciou que teria sido forçado a manter relações sexuais com outros internos. Sete detentos, entre 18 e 21 anos, teriam violentado sexualmente um outro companheiro de cela. O caso foi levado a conhecimento da polícia na última terça-feira (14). Todos os envolvidos no caso foram levados para a Delegacia de Polícia Civil de Lagoa Seca. A vítima, que contou tudo em detalhes ao delegado, continua bastante abalada, recebe acompanhamento médico e psicológico.

Quanto aos sete acusados, já que são maiores de idade, permaneceram até ontem na carceragem da delegacia aguardando a audiência de custódia. Depois de ouvidos, foi lavrada a prisão em flagrante. Todos foram transferidos para a Penitenciária Padrão em Campina Grande, onde encontram-se recolhidos.

A direção do Lar do Garoto apura o caso de forma muito cautelosa. Há suspeitas de que tudo não tenha passado de uma armação. O delegado responsável pelo caso,  Luciano Mendonça, continua acompanhando o caso. 

Um outro caso de estupro aconteceu ano passado no Lar do Garoto.

Da redação

0 comentários: