Cobertura do Capítulo das Esteiras: painel com pesquisadores revela história das missões franciscanas no Nordeste

Na manhã do segundo dia do Capítulo das Esteiras, 30 de janeiro, os frades voltaram a dedicar-se à história dos franciscanos no nordeste do Brasil. Uma mesa de debate com pesquisadores, coordenada pelo historiador Frei Marcos Almeida, OFM, revelou aspectos de experiências missionárias dos frades entre os séculos XVII e XX.

Foram convidados uma mestranda e um mestre em História, e um doutorando em Arquitetura e urbanismo. Segundo Frei Marcos Almeida o objetivo foi compor, a partir da contribuição dos convidados, “um grande e belo mosaico onde o Franciscanismo é conhecido e testemunhado através de diversos rostos e formas de presença”.

Vanessa Anelise Figueiredo, mestranda em História pela Universidade federal do Rio Grande do Norte – UFRN, tratou do ‘Método Missionário Franciscano na Administração e Organização das Missões e Missionários da Província de Santo Antônio do Brasil na Capitania de Pernambuco (1659-1763)’. Partindo de Estatutos e documentos da Província, Vanessa destacou a prática franciscana na missão entre os índios e as adaptações que faziam em vista da atenção e do respeito às diferentes etnias.

Logo a seguir Sérgio Motta Lopes, mestre e doutorando em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) expôs as primeiras conclusões de suas pesquisas a respeito das Missões Franciscanas na Bahia: Indicações para a sua Compreensão como ‘Lugares’ do Sertão’. Sérgio Lopes frisou a ocupação do mediterrâneo baiano, apontando o Rio São Francisco como rota natural para as missões franciscanas e destacando como estas missões influenciaram os hábitos, costumes e ‘modos de construir’ do povo sertanejo.

A terceira conferência do dia coube a Dirceu Marroquim, mestre em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), que explanou sobre ‘Frei Casimiro Brotchtup: entre a caridade e a cidadania (Recife, 1926-1944)’. A pesquisa de Dirceu investiga a presença do franciscano considerado o “Apóstolo dos Mocambos” e sua atuação junto aos pobres do bairro Santo Amaro, no Recife.

Para concluir, coube a Frei Marcos Almeida um apanhado das temáticas abordadas, expondo uma síntese de sua tese doutoral em História do Franciscanismo, intitulada: ‘Um Mundo franciscanizado: retornos permanentes às origens da Ordem (sec.XXI-XIII)’. A partir de seus estudos Frei Marcos considera que o mundo franciscanizado “tem como meta estar engajado no mundo real, prático, concreto”.

Após as exposições da mesa redonda, teve início um momento de debate, contando com uma participação expressiva dos frades, que deram sua contribuição através de perguntas aos expositores e outros acréscimos. Alguns religiosos assinalaram a tônica do momento, partilhando os sentimentos suscitados, sobretudo que lhe fazem repensar se a presença franciscana ainda está nas periferias e entre os pobres.

Encerrando as atividades da manhã, o Ministro Provincial Frei Beto Breis, OFM agradeceu a presença e contribuição dos convidados, reforçando que “as missões franciscanas do passado contam conosco hoje, e devem ser atualizadas, nos seus métodos e conteúdos, como em suas opções”. Reforçou ainda que os estudos sobre a atuação dos Franciscanos no Nordeste podem ser uma chave de leitura para os frades entenderem sua prática missionária também hoje.

A tarde do segundo dia do Capítulo foi dedicada a um segundo bloco de reflexões – Viver com paixão o presente – com a partilha da caminhada formativa da Fraternidade Provincial. Cada Casa de Formação – Postulantado, Noviciado e Casas de Estudos filosóficos e teológicos – partilhou um pouco de suas experiências, apresentando aspectos concretos de sua vida fraterna e missão. Ao fim do dia uma Celebração Eucarística presidida por Frei Anastácio Ribeiro, da Fraternidade de João Pessoa (PB), concluiu as atividades.

Com redação

0 comentários: