Barbárie: líder comunitário é brutalmente morto a pedradas na Vila Florestal, zona rural de Lagoa Seca...


Um crime bárbaro chocou os moradores da Vila Florestal, comunidade periférica da zona rural de Lagoa Seca, município localizado na região metropolitana de Campina Grande, Agreste paraibano. A barbárie aconteceu nesta terça-feira, 07, às 17h30, na principal via da comunidade, próximo a uma creche municipal e a sua residência. A vítima foi o líder comunitário Evandro Assis de Oliveira, de 54 anos, popularmente conhecido por Evandro da Vila, que foi morto brutalmente à pancadas e a pedradas, quando vinha do trabalho e chegava em sua casa. Ele era pedreiro, morava na comunidade da Vila Florestal há mais de 15 anos, deixa a mulher e dois filhos.

O corpo foi encaminhado para o Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol) de Campina Grande. O velório será na Câmara de Vereadores da cidade e seu sepultamento acontece nesta quarta-feira, no cemitério local. Esse é o primeiro homicídio registrado este ano em Lagoa Seca, pequena cidade do interior da Paraíba, com pouco mais de 27 mil habitantes, distante 129 km da capital, João Pessoa. 
A Polícia Militar foi acionada até o local, fez diligências, mas até agora ninguém foi identificado como o autor do homicídio. A Polícia Civil está investigando o caso e não sabe até agora informar a motivação do crime. No entanto, autoridades policiais acreditam que a ordem para o homicídio tenha sido ordenada de dentro de algum presídio do estado, uma vez que um dos acusados pelo o assassinato do seu filho está preso. No dia 28 de setembro de 2012, José Eduardo da Silva, 20 anos, filho da vítima foi assassinado com tiros e golpes de faca, quando visitava familiares na comunidade. A vítima morava no bairro do Pedregal em Campina Grande. Ele era ex-presidiário e cumpriu pena por homicídio. 

Apesar do silêncio que impera entre os habitante do lugar, algumas pessoas disseram que depois de muito espancarem o líder comunitário, os criminosos saíram tranquilamente caminhando pela rua, como se nada tivesse acontecido. Amigos e familiares estão muito revoltados com o assassinato de Evandro, que era muito querido entre os moradores da Vila Florestal. Muitos estão com medo e pedem mais segurança na localidade, que não tem nenhum posto policial.

Há alguns dias Evandro da Vila se dirigiu até a delegacia da cidade de Lagoa Seca e comunicou as autoridades policias que vinha recebendo ameaças de morte. Na ocasião, pediu proteção policial, mas nada foi feito. Ele tinha alguns inimigos nas redondezas. 

Evandro da Vila, que sempre lutou pelas melhores condições de segurança de sua comunidade, foi vítima da insegurança que gera medo e silêncio entre os moradores da Vila Florestal, conhecida como 'zona de gaza' do município de Lagoa Seca, em virtude dos inúmeros casos de violência e homicídios registrados na área. Além de líder comunitário, era muito ligado aos movimentos sociais no município de Lagoa Seca. Sempre lutou pelas melhorias da Vila Florestal, aonde morava. Junto com outros moradores, fundou no dia 18 de setembro de 2011 a Associação dos Moradores da Vila Florestal, entidade apartidária e sem fins lucrativos. Ele ocupava a presidência da AMOVI e desenvolvia um trabalho social com um sopão comunitário, distribuição de roupas, entre outras ações em favor dos moradores mais carentes.  Em 2012, foi candidato a vereador pelo PMDB, na Coligação 'Lagoa Seca de Todos', quando obteve 67 votos.

Em seu perfil, no facebook, assim escreveu Evandro da Vila, no mês de dezembro de 2012, como sua última mensagem:

"Entre tantos problemas enfrentados pela Vila Florestal e Vila Ypuarana queremos aqui deixar nosso sentimento como instituição representativa do povo que ali sobrevive e não só como entidade social, mas sim, como ser humano e cidadãos que convivem com o descaso por décadas; contudo, imagino que seja um momento especial para agradecer a Deus, que é nosso Provedor e Pai, o Único que nos garante força para vencer as dificuldades impostas pelo caráter desumano de representantes que visam suas prioridades, ignorando as limitações do próximo.

É bem verdade que temos nos esforçados para implantar no entendimento de nossa sociedade um espirito de luta, luta em defesa de nossos direitos que até os momentos hodiernos são negligenciados por aqueles que confiávamos serem competente o suficiente para amenizar o problema da Vila Florestal e Vila Ypuarana. Queremos agradecer a todos os membros da diretoria da AMOVI e seus sócios por mais um ano de parceria, colaboração na luta em defesa de nossos direitos. Desejamos a todos um Feliz Natal, um Ano Novo repleto de Paz e Prosperidade".

Da redação

0 comentários: